Caneta identifica tecidos com câncer em segundos

Novo estudo publicado por pesquisadores da Universidade do Texas apresentou dispositivo capaz de identificar tecido comprometido com câncer. Publicada na revista científica Science Translational Medicine, a pesquisa indicou que a caneta foi precisa em 96% dos testes.

Em entrevista ao Jornal O Globo, o Dr. Carlos Gil Ferreira, Coordenador de Pesquisa em Oncologia do IDOR, considera o dispositivo “um avanço, já que é o primeiro estudo a provar que isso é possível. Esse grupo de pesquisadores é o primeiro que consegue fazer isso de forma consistente com um dispositivo reproduzível”.

Cliquei aqui para ler a reportagem completa.