Contribuições da pesquisa translacional à oncologia

Qual a contribuição das bancadas de laboratório para o atendimento direto aos pacientes? Sessão temática no VI Congresso Internacional Oncologia D'Or debateu o tema com especialistas.

Na medicina, o conceito de pesquisa translacional representa uma preocupação com o extenso caminho que um novo conhecimento obtido em laboratório precisa percorrer para chegar até hospitais, consultórios e outros espaços de atendimento aos pacientes. Estamos falando, portanto, de soluções para encurtar essa distância e acelerar a implementação de novas técnicas e produtos médicos. Este foi o tema de uma sessão promovida pelo Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) no VI Congresso Internacional Oncologia D'Or, que aconteceu nos dias 9 e 10 de novembro no Rio de Janeiro. De maneira particular, os especialistas falaram sobre o diagnóstico molecular em oncologia e como os avanços científicos na área da genética e dos biomarcadores revolucionaram o tratamento do câncer.

“Estamos na era da medicina personalizada e das terapias-alvo”, iniciou a conversa a médica patologista Isabela Werneck da Cunha, do AC Camargo Cancer Center, em São Paulo, e da Rede D’Or São Luiz. Dá-se o nome de terapia-alvo aos tratamentos desenvolvidos a partir do avanço no conhecimento dos genes, das proteínas e de outras moléculas presentes nas células tumorais, cuja ação é específica sobre elas. Assim, espera-se que os tratamentos, além de mais eficazes, causem menos enjoos, vômitos e queda de cabelos do que as quimioterapias tradicionais – embora tenham também sua cota de efeitos colaterais.

Cunha citou como exemplo importante de pesquisa básica com alto potencial de aplicação o Atlas do Genoma do Câncer (TCGA, na sigla em inglês), coordenado pelo Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos e que, de 2008 a 2018, mapeou geneticamente mais de 33 mil casos da doença, descrevendo cerca de 3 milhões de mutações associadas às células tumorais – portanto, um prato cheio para o desenvolvimento de terapias-alvo. Ainda segundo a especialista, os exames genéticos estão cada vez mais baratos e, portanto, mais acessíveis, embora ainda haja desafios para que se tornem, de fato, disponíveis à toda a população. “Precisamos reduzir o contraste que há entre os atendimentos oncológicos nas redes pública e privada”, ressaltou.

Em seguida, o também patologista Fernando Soares, diretor de Anatomia Patológica da Rede D’Or e professor da Universidade de São Paulo, destacou a importância dos biomarcadores e de seu papel na imunoterapia, tratamento contra alguns tipos de câncer que funciona a partir da estimulação do sistema imunológico dos pacientes – e que rendeu o prêmio Nobel de Medicina deste ano ao americano James P. Allison e ao japonês Tasuku Honjo, pioneiros na área. “O advento da imunoterapia na prática diária é fruto de 120 anos de estudos que constituem um fundamento sólido”, afirmou Soares. “O potencial de uso das imunoterapias em pacientes com câncer (e com outras doenças) é praticamente ilimitado, e a adoção de técnicas de associação com outras estratégias deve prevalecer nos próximos anos”.

Biópsia líquida

Médico e pesquisador do IDOR, Marcelo Reis se dedica ao estudo das alterações genéticas presentes nos tumores para desenvolver novos alvos terapêuticos contra o câncer e, também, métodos não invasivos de detecção da doença. Ele apresentou seu trabalho sobre biópsia líquida – a identificação de características tumorais a partir de uma amostra de sangue, em vez do tecido tumoral usado nas biópsias convencionais –, em particular no câncer de pulmão.

“O câncer de pulmão é amplamente estudado do ponto de vista molecular e diversos genes relacionados a ele já foram descritos”, explicou o palestrante. “Porém, é uma doença subinvestigada no Brasil do ponto de vista mutacional”. Segundo o especialista, poucos pacientes realizam testes genéticos. Reis está à frente de um estudo que pretende traçar uma epidemiologia molecular do câncer de pulmão no país, de modo a identificar a prevalência de mutações que caracterizam a resistência do tumor às terapias-alvo. De 2013 a 2018, foram coletados testes em mais de 7 mil casos da doença – o maior levantamento brasileiro sobre o tema.

Oncologista clínico do Hospital São Luiz, Marcelo Fanelli fechou a sessão com a perspectiva do médico que atua bem próximo aos pacientes. “A partir de dificuldades que encontrei na prática clínica, me interessei pelo estudo das células tumorais circulantes (CTC)”, contou. O princípio por trás desses estudos é que os tumores formam metástases a partir da migração de células do tumor original para outras partes do corpo, via corrente sanguínea.

A observação das CTC tem diversas aplicações, como a avaliação prognóstica e a caracterização do câncer, e já vem sendo utilizada em casos de tumores de mama, cólon e pulmão. “As CTC, como biomarcador, têm uma boa sensibilidade e uma boa especificidade, além de serem um método culturalmente aceitável – pois utiliza apenas alguns mililitros de sangue – e de valor clínico validado por alguns bons ensaios prospectivos”, defendeu Fanelli. O médico ressalvou, por outro lado, que ainda é necessário definir alguns valores de referência para disseminar a utilização desse exame, e que se trata de um teste ainda caro, o que dificulta seu uso em larga escala.