Desafios da patologia contemporânea

Diretor de Anatomia Patológica da Rede D’Or falou sobre a importância de conjugar o conhecimento tradicional e já consolidado às modernas técnicas da biologia molecular no atendimento do paciente com câncer.

Uma das especialidades mais tradicionais da medicina, a patologia, no início, tinha como foco principal o estudo dos cadáveres para compreender o funcionamento e as disfunções dos órgãos humanos. No século 20, porém, primeiro com o advento da microscopia eletrônica e depois com a biologia molecular, a disciplina precisou se reinventar. Hoje, tem papel fundamental, por exemplo, na identificação de tumores malignos e nas decisões sobre o melhor tratamento dos pacientes. “Nunca foi tão bom ser patologista”, confessou Fernando Augusto Soares, diretor de Anatomia Patológica da Rede D’Or São Luiz e professor titular da Universidade de São Paulo, em palestra no Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (IDOR) na última quinta-feira (25/10). “Muito diferente do que era 35 anos atrás, hoje, o patologista tem uma participação grande na melhora do paciente”, afirmou.

Soares contou que, da observação dos órgãos, o foco da patologia se deslocou para a célula, com a observação de tecidos ao microscópio, e, em seguida, para componentes moleculares como as proteínas, utilizadas como marcadores para uma série de doenças, inclusive os cânceres. A utilização de técnicas como imunofluorescência e imunohistoquímica reduziu a subjetividade que havia na interpretação das imagens morfológicas e permitiu abordagens terapêuticas mais precisas. Para o palestrante, a patologia não perdeu sua essência tradicional – em suas palavras, "meio arte, meio ciência”, de olhar um padrão histológico e em poucos segundos identificar a doença –, mas ganhou novas ferramentas para complementá-la.

Uma dessas ferramentas é a utilização de biomarcadores, como proteínas que ajudam a classificar, por exemplo, tipos específicos de tumor. O grupo de pesquisa de Soares descreveu uma série de biomarcadores para cânceres de cabeça e pescoço, e busca aplicações práticas para esse conhecimento, como auxiliar os oncologistas nas decisões terapêuticas. “O que queremos é um teste que ajude a determinar a melhor terapia para aquele paciente”, ressalta, explicando que o desenvolvimento de biomarcadores como testes diagnósticos, indicadores prognósticos ou como fatores preditivos à resposta terapêutica está entre as atuais prioridades de pesquisa em patologia.

Essa nova abordagem leva, também, a novos desafios, especialmente no que Soares descreveu como a “transformação de doenças frequentes em doenças raras”, uma vez que se conhece muito bem a particularidade de cada tumor e se pode observar que, embora tenham características gerais em comum, os casos – e as terapias – podem diferir enormemente. “Esse cenário faz com que o patologista esteja cada vez mais na interface investigação-aplicação”, argumentou.

Fernando Soares em palestra no IDOR

Abordagem translacional e formação profissional

Soares destacou também como a patologia pode, hoje, estar no centro de uma mudança na maneira como encaramos a aplicação do conhecimento científico na prática médica. Para isso, citou como exemplo a abordagem do adenocarcinoma de pulmão, tipo de câncer que mais mata no Brasil. Por muito tempo, havia pouco o que o patologista pudesse fazer em relação à doença; hoje, porém, com a biologia molecular, o profissional da área pode identificar o tipo de mutação genética que deu origem ao tumor e, assim, ajuda a encontrar a melhor terapia para cada caso.

Transformações como essa acontecem, na prática, quando se consegue estreitar a relação entre os profissionais que atuam nos hospitais ou clínicas e aqueles que estão nos laboratórios de pesquisa. Nesse sentido, o palestrante ressaltou a importância das pesquisas translacionais, cuja preocupação maior é levar o conhecimento obtido nos laboratórios até o atendimento direto dos pacientes, nos hospitais e clínicas especializadas. "Como patologista, não vejo possibilidade de desenvolvimento da medicina sem o tripé assistência, pesquisa e ensino", assegurou, enfatizando que a interação entre médicos de diferentes especialidades e cientistas básicos, bem como a formação de novos profissionais nesse novo modelo de trabalho, é o que fará a medicina avançar. “A integração entre cientistas e o corpo assistencial é fundamental para que passemos a ter perguntas e projetos focados em translação”, apostou.

Essa nova perspectiva da atuação do patologista requer, também, mudanças na formação dos futuros especialistas da área. "Para a nova geração assimilar isso tudo, a gente precisa ensinar patologia de uma forma diferente", argumentou. “O treinamento de patologistas em formação deve incluir um amplo conhecimento das moléculas de interesse, da genômica até a estrutura proteica, para evitarmos que a nova geração seja reprodutora de testes sem ter ideia do que está testando”.

O palestrante também acredita que é necessário ensinar os futuros patologistas a trabalharem em times multidisciplinares. “Não se pode ensinar, nem aprender, patologia sem a integração de múltiplas ciências, tanto biológicas como em administração e informática”.