Redação de patentes para inventores e pesquisadores

IDOR sedia programa nacional para compartilhar conhecimentos em patenteamento


Durante a segunda e a terça-feira desta semana, o auditório do IDOR foi palco para a oficina aberta de Redação de patentes, ministrada por Henry Suzuki, sócio diretor da Axonal ConsultoriaTecnológica e consultor em propriedade intelectual. As aulas compuseram a 32ª edição de um programa de 75 workshops que estão sendo ministrados por todo o Brasil. “O objetivo é levar a pesquisadores e inventores algumas noções de como podemos nos apropriar do nosso conhecimento através das patentes e como podemos ser mais efetivos nesse processo”, explica Suzuki.

Ao longo da oficina, os participantes foram capacitados na realização de buscas, identificação e leitura de documentos relacionados,definição do escopo da invenção e formas de proteção intelectual, além da elaboração de relatórios descritivos. Apesar de todas essas habilidades, Henry Suzuki afirma que o processo de redação de patente começa na mentalidade de inovação, que é quando alguém inicia a construção de uma nova ideia. Segundo o especialista, a partir daí o primeiro passo é fazer uma busca de anterioridade do seu projeto, podendo recorrer a ferramentas como o Google Patents. “Nessa hora você pode até ficar frustrado com o processo, achando que já inventaram tudo o que você queria inventar”, brinca Suzuki. “Mas é aí que começa o processo real de invenção, a base que vai permitir a criação do que realmente ainda não existe”.

Segundo o ministrante, a melhor forma de aprender como fazer patentes é observando o comportamento de grandes empresas. As estratégias de grandes empresas podem ser aplicadas no cotidiano de inventores e pesquisadores, de forma que é essencial para o processo saber como prospectar e entender bem o setor tecnológico de interesse, classificando seu comportamento e como ele faz suas patentes. O curso ensinou como acessar essas informações, assim como guias internacionais de redação de patentes, entre outros conteúdos que foram previamente disponibilizados no site da Axonal. “Vivemos na era do conhecimento, mas boa parte de nós brasileiros não aprendemos como criar de forma efetiva, nem como nos apropriar de nosso conhecimento. A intenção desta iniciativa é compartilhar conhecimento para a transformação e inovação do país, e isso tem tudo a ver com a filosofia do IDOR”, declara o ministrante.

As outras edições da oficina estão cobrindo várias cidades do Brasil. Você pode checar essa agenda clicando aqui. Os conteúdos preliminares oferecidos pelo curso podem ser acessados através deste link. A oportunidade é gratuita!