Sobre sexo, cócegas e ciência

Áreas específicas do córtex cerebral são responsáveis pelo processamento de estímulos sexuais e das cócegas. Entender os mecanismos neurais responsáveis pela ativação desses circuitos cerebrais é o principal objeto de estudo do neurofisiolgista alemão Michael Brecht, que, em reconhecimento aos avanços científicos proporcionados por seus estudos, recebeu, em 2012, o prêmio Leibniz, conferido pela Sociedade Alemã de Amparo à Pesquisa (DFG). Brecht, que atualmente é pesquisador da Universidade Humboldt e coordenador do Centro de Neurociência Computacional Bernstein, ambos em Berlim, esteve no Instituto D’Or no dia 26 de abril para divulgar seu trabalho e conversar com pesquisadores e alunos sobre neurociência e carreira científica.

Ainda no século passado, neurocientistas descobriram que as partes do corpo possuem representação no córtex sensorial. Essas áreas seriam responsáveis por receber estímulos quando nosso corpo é tocado ou estimulado: cabeça, mãos, tronco, pernas etc. No entanto, pouco se sabia a respeito de como os órgãos sexuais masculino e feminino eram representados no cérebro e que fatores poderiam influenciar seu funcionamento.

Em sua palestra no Instituto D’Or, Brecht compartilhou os detalhes de suas pesquisas que culminaram no melhor entendimento dessa circuitaria cerebral. Curiosamente, seus estudos mostraram que, apesar das genitálias de ratos machos e fêmeas serem visivelmente diferentes – assim como em humanos –, sua representação no córtex cerebral é idêntica, o que intrigou o pesquisador. Outro achado surpreendente foi que, ao contrário de todas as outras representações do corpo no córtex cerebral, a representação da genitália praticamente dobra de tamanho quando os animais chegam à puberdade. Na prática, isso significa que existe mais informação vinda daquela parte do corpo para o cérebro, que, por sua vez, designa um maior território de neurônios corticais para processar tal informação.

A partir de evidências originadas por outros estudos que sugeriam que a puberdade é afetada pelo contexto social, Brecht bolou um experimento para entender se tal contexto também afetaria a representação da genitália de fêmeas durante a puberdade.

Publicados em 2017 na revista científica PLoS Biology, os resultados mostraram que a representação cortical da genitália de fêmeas criadas juntamente com outras fêmeas ou na presença (mas sem contato) de machos adultos possui tamanho normal. Mas, se as fêmeas forem criadas em contato físico com machos, é possível observar uma representação aumentada da genitália no córtex cerebral. Para Brecht, os resultados mostram que o contato físico é mais importante do que os feromônios, tão estudados no contexto do desenvolvimento sexual de ratos. Seu experimento mostrou também que a estimulação artificial da genitália feminina, com o auxílio de uma escova, também gerou os mesmos resultados.

 

O cérebro que sente cócegas

Outra linha de pesquisa desenvolvida pelo grupo de Michael Brecht investiga as bases neurais das cócegas. Em outras palavras, quer responder à pergunta: como esta sensação misteriosa – e que a ciência não entende exatamente para que serve – é processada no cérebro?

Estudos anteriores vinham mostrando que ratos são capazes de sentir cócegas e respondem com vocalizações quando as recebem. Mas uma pergunta crucial ainda precisava ser respondida: os animais gostam de sentir cócegas? A resposta é sim. Os animais procuram pelas cócegas e buscam por ela no contato com o experimentador, e ainda dão pequenos saltos de alegria. “Esse tipo de comportamento é muito comum em diversos mamíferos quando estão em situação de extremo entusiasmo”, explica Michael Brecht.

No cérebro, o neurofisiologista buscou entender como as cócegas são processadas. Analisando as representações corticais do dorso do animal, Brecht observou maior ativação dos neurônios quando os animais recebiam cócegas. De maneira surpreendente, o cientista descobriu que os neurônios responsáveis por processar as cócegas se ativam antes mesmo de receberem o estímulo. “Os resultados mostram que as cócegas acontecem no cérebro, e não na pele”, conta.

 

Visita aos laboratórios e bate-papo com alunos

Durante sua visita ao Instituto D’Or, Brecht conheceu os laboratórios e os estudos desenvolvidos pelos diferentes grupos. Participou, também, de uma roda de conversa com alunos e jovens pesquisadores, e compartilhou experiências do seu dia a dia de pesquisa. Altos e baixos da carreira, a dificuldade de encontrar posições de pesquisador na Alemanha e a importância da pesquisa básica para a ciência foram alguns dos temas discutidos. Brecht ressaltou o desafio que é persistir quando se tem uma hipótese científica: “Duvide quando te falarem que é impossível. Desafie o impossível”, frisou.