Vamos comemorar o Dia Nacional do Café (24/05)!

O aroma do café quente em um dia de frio é algo irresistível para muitos. Não é à toa que a bebida é a mais consumida no Brasil e no mundo. Além de muito saboroso, o café possui uma série de propriedades que o tornam muito importante para a saúde e bem estar das pessoas que o consomem. Porém, a história do café não é recente, e nem começou em terras brasileiras.

Os primeiros registros históricos sobre a cultura do café datam do século VI. Segundo a lenda, um pastor da Etiópia observou suas cabras mais alegres e saltitantes após consumirem alguns frutos de arbustos no campo de pastoreio. Além disso, reparou que só era possível caminhar com o rebanho por quilômetros com a ajuda desses frutos misteriosos. A notícia chegou aos monastérios, onde monges descobriram que a infusão do café os ajudava a ficarem acordados por horas a fio enquanto estudavam e oravam, o que criou uma enorme demanda para a bebida.

Mais de mil e quinhentos anos depois, o consumo do café está amplamente difundido pelos quatro cantos do mundo, e seu consumo alcançou cerca de 500 bilhões de xícaras por ano. Nesse cenário, o Brasil desempenha papel de destaque. Hoje, somos os maiores produtores e exportadores de café, responsáveis por cerca de 1/3 de todo o café produzido no mundo. O grão possui alto impacto no PIB brasileiro, já que é produzido em quase todos os estados, principalmente Roraima, Pará e Bahia.

BENEFÍCIOS PARA SAÚDE:

Os benefícios do café não estão restritos à economia brasileira. Hábitos de vida desempenham papel fundamental para o surgimento e prevenção de doenças. Para a saúde, inúmeras evidências científicas apontam seus benefícios como antioxidantes, além de possuir efeito protetor contra doenças cardiovasculares, degenerativas e câncer, por exemplo.

Revisões sistemáticas da literatura científica destacaram que o consumo do café está associado ao menor risco de câncer colo retal, fígado, rins, ovário e pâncreas. No caso do câncer colo retal, um dos mais comuns no ocidente, foi observada redução deste tipo de doença nas pessoas que consumiam duas ou mais xícaras de café por dia.

No âmbito das doenças cardiovasculares, as evidências científicas são ainda mais conhecidas. A atuação do café contra as doenças cardiovasculares parece estar relacionada a mecanismos inflamatórios, que quando aumentados, podem levar a ocorrência dessas doenças. A bebida é capaz de frear reações inflamatórias em nossas artérias e coração, desempenhando papel protetor.

Para o nosso cérebro, os benefícios do café vão desde a melhora da cognição, até redução dos sintomas da Doença de Parkinson, por exemplo. De acordo com a pesquisadora da Unidade do Café e Cérebro do IDOR, Dra. Silvia Oigman, “além de ser um potente estimulante, o consumo regular de café pode diminuir o impacto do envelhecimento sobre a memória e atenção”. Estudos apontam que pessoas que bebem regularmente café apresentam menor risco de desenvolverem Doença de Parkinson, quando comparados aos não consumidores. Já para doença de Alzheimer, seu consumo pode reduzir o risco da doença em cerca de 20%.

“Tendo em vista que o café é a segunda bebida, depois da água, mais consumida no mundo, seus efeitos na saúde têm sido cada vez mais estudados pela comunidade científica. Nós, da Unidade do Café e Cérebro, do IDOR, estamos particularmente interessados em seus efeitos sobre o cérebro”, completou a Dra. Oigman.

EVENTO:

Participe de um Workshop Degustação no dia 30/05 e entenda sobre os diferentes tipos de café, torras e sabores.
Vagas Limitas. Inscreva-se: https://goo.gl/1vVdPS

Texto: Theo Marins, IDOR.